quarta-feira, 21 de outubro de 2009

O baile de máscaras na casa dos Dale

O cenário é a ante-sala de um quarto de motel americano mediano de beira de estrada. Uma penteadeira, um sofá e um cabideiro. Um casal, usando máscaras e roupa de festa, abre a porta. Eles não tiram as máscaras durante toda a cena.

Katherine – Há, há, há. Os Thompsom estavam ótimos com suas máscaras de cortinas venezianas.

Tom – E o que dizer dos Makintyre? Sempre tão bem humorados.

Katherine – Ano passado usaram máscaras de abelhas albinas.

Tom – E eu achava que eram tigres de bengala. Há, há, há.

Katherine – Há, há, há. Imagine só você que os Campbell mandaram bordar a fios de ouro as máscaras que usaram este ano.

Tom – Os Campbell sempre tão soberbos. Acabam caindo na vulgaridade.

Katherine – Concordo plenissimamente.

Tom – Ai, ai. Foi divertido. Tivemos um ótimo tempo.

Katherine – Otimíssimo. Ai, ai...

Silêncio. Eles mudam o tom.

Tom – Fora aquele casal estraga prazeres. Que vergonha nos fez passar.

Katherine – Nem me fale. Quando vi duas máscaras idênticas às nossas meu coração quis saltar pela boca.

Tom – Uma indelicadeza só.

Katherine – Onde já se viu? Freqüentamos o baile de máscara dos Dale há mais de vinte anos e nunca tal impropério havia nos acontecido.

Tom – Fomos alvo do desprezo de toda a festa.

Katherine – Com razão. Aquele outro casalzinho nos ridicularizou perante todos. Os Clarkson, veja você, fizeram um comentário maldosérrimo a respeito de nossa originalidade.

Tom – Sempre os Clarkson. Ainda não aprenderam que em boca fechada não entra mosca.

Katherine – O fato é: passamos vergonha esta noite. Amanhã telefonarei para a Senhora Dale exigindo explicações sobre este mal entendido.

Tom – Eu nunca vi isso. Confirmamos nossa presença com semanas de antecedência e deixamos registrada na lista do organizador a máscara que iríamos usar.

Katherine – E eles sempre nos garantiram que a lista de máscaras servia para que nenhum casal tivesse máscaras idênticas.

Tom – Estou louco para saber quem é essa gentinha. Nunca os tinha visto no baile dos Dale antes.

Katherine – Faremos com que eles sejam limados de qualquer lista de qualquer evento social em New River.

Tom – Eles aprenderão uma bela de uma lição.

Katherine – Eles terão o que merecem.

Tom – Amanhã, quando chegarmos em casa, resolveremos esse impasse. Essa história dos Dale fazerem festas na casa de campo da família sempre nos obriga a dormir num desses motéis pela estrada.

Katherine – A sorte é que este é de boa qualidade.

Tom – O bom é que temos a noite inteira sem as crianças para fazermos o que quisermos.

Katherine – Você sabe que, com essa história toda, eu perdi meu bom humor? E com o bom humor, foi-se também minha libido.

Tom – Não ligue pra isso, querida. Acabaremos com a vida destes impostores.

Katherine – Você tem razão, Hartley. Vamos tirar essas máscaras e ir pra cama.

Tom – O que você disse?

Katherine – Vamos tirar essas máscaras e ir pra cama.

Tom – Não. O que você disse antes disso?

Katherine – Eu disse: vamos pra cama, Hartley

Tom – Hartley?

Katherine – Sim, Hartley Junior. Não é assim que você gosta que eu lhe chame na intimidade?

Tom – Não. Eu gosto que você me chame de Tom, que é o meu nome, Melinda.

Katherine – Melinda? Mas meu nome é Katherine.

Climão.

Tom – Oh, não, Melinda. Digo, Katherine. Acho que uma tragédia se abateu sobre nós.

Katherine – Nós... Nós trocamos de pares!

Tom – Com o casal que estava usando a mesma máscara.

Katherine – Como pudemos?

Tom – Não sei. Eu poderia jurar que você era Melinda.

Katherine – E eu apostaria com a morte que você era o meu Tom.

Silêncio.

Katherine – Você não sabe a cara da sua mulher?

Tom – Claro que sei. Mas como você pode perceber, todos estávamos de máscaras.

Katherine – Mas e a voz, o cheiro...

Tom – Sim, claro que sei. Mas ela é tão parecida com você que eu acab... E você, falas de mim, mas não és capaz de reconhecer o cheiro de teu esposo.

Katherine – Eu perdi o olfato.

Tom – Oh, Deus. Que fato triste.

Katherine – Pra falar a verdade, não foi tão triste assim. Eu fiz uma operação pra tirar uma pedra no rim que me deixou essa seqüela. Mas não fez muita diferença, eu sempre tive uma rinite aguda que me bloqueava os cheiros.

Tom – O quê? Eu digo esta situação toda. É muito triste.

Katherine – Ah, sim. Tristíssima!!

Tom – Quer dizer então que a minha pequena Melinda está... com o seu marido...

Katherine – E o meu precioso Hartley está com a sua pequena Melinda...

Os dois – Filha da Puta!

Os dois – Epa!! Olha como você fala do meu...

Silêncio. Eles estão muito tensos.

Tom – (pegando um cigarro) Você tem isqueiro?

Katherine – Claro. (quebrando o gelo) Olha, você pode relaxar que o meu marido sabe muito bem a cara da mulher dele.

Tom – E se eles ainda estiverem com as máscaras?

Katherine – O olfato do Tom é perfeito. Ele é o único da casa que não sofre de rinite aguda.

Tom – E você pode ficar tranqüila que a minha mulher reconhece num piscar de olhos o maridinho dela. Diferente de você.

Katherine – Não sei, não. Se ela for igual ao maridinho, daqui a pouco está na cama com um desconhecido.

Tom – E este desconhecido será o teu esposo, minha senhora.

Katherine – Olha lá como você fala do meu marido. Espere só até eu ligar para os Dale e contar que você me trouxe para um motel e que o meu marido foi pra cam...

Tom – Espera. Você não pode espalhar uma coisa dessas. O que os Dale vão pensar de nós?

Katherine – E os Makyntire?

Tom – E quanto aos Thompsom?

Katherine – E os Clarkson, aqueles futriqueiros?

Tom – O que me diz dos York?

Katherine – E os Campbell?

Tom – Já imaginou se os Griffith ficam sabendo?

Tom – Meu deus!! E os Pereira??

Katherine – Você tem razão. Um desastre desses não pode cair na boca da alta sociedade de New River.

Tom – Temos de pensar em algo.

Katherine – Acabo de lembrar que eu e Hartley viríamos a este mesmo motel depois que a festa acabasse. Ele deve estar por aqui.

Tom – Claro! Eu e Melinda já havíamos planejado pernoitar aqui há semanas. Ela não pode estar em outro lugar.

Katherine – Então eles sabem do mal entendido e que também estamos aqui.

Tom – Sim!!

Silêncio

Katherine – Mas então... por que ainda não vieram nos procurar?

Tom – Bom, talvez ainda não tenham percebido o mal entendido.

Katherine – Eu mato o Hartley!

Tom – Se Melinda apronta uma dessas comigo, eu nem sei!

Katherine – Temos que descobrir.

Tom – Bateremos em todas as portas deste motel.

Katherine – Acordaremos quem for preciso.

Tom – E se os pegarmos na cama, nós...

Katherine – (interrompendo) E se os pegarmos na cama?

Tom – Nós falaremos que também dormimos juntos!

Katherine – Que horror!!

Tom – Mentiremos a eles. Mas não vamos deixá-los pensar que fizeram isso sozinhos.

Katherine – Certo. Diremos que também fizemos.

Tom – Pronta?

Katherine – Prontíssima.

Eles vão em direção a porta. Tom coloca a mão na maçaneta.

Os dois respiram fundo.

Katherine – Ai, eu acho que eu não consigo.

Tom – Eu não suportaria ver uma cena dessas.

Katherine – O que faremos?

Tom – Chegaremos às vias de fato. Dormiremos juntos. Não vou deixar que Melinda faça uma coisa dessas comigo e passe impune.

Katherine – E nem eu permitiria que Hartley me apunhalasse pelas costas sem dar o troco.

Tom – Mas se eles não falarem nada, nós também não abriremos a matraca.

Katherine – Mas caso contrário...

Tom – Caso contrário eu nem sei!!!

Silêncio.

Katherine – Vou me despir.

Tom – Uma última coisa. Não tiraremos as máscaras.

Katherine – Em hipótese alguma.

Tom – Esse pode ser o nosso álibi.

Katherine – Dormiremos de máscara, faremos o que temos de fazer de máscara e acordaremos de máscara.

Tom – Isso se conseguirmos dormir depois de realizar tal pecado. De máscara.

Katherine – E quanto à reclamação que faríamos aos Dale...

Tom – Aquela conversa toda de denunciarmos um ao outro...

Katherine – De sermos vetados dos eventos sociais de New River...

Os dois – Bico calado.

Fade out.

13 comentários:

  1. Volta triunfal, Sra. Yabrudi...adorei!!!

    ResponderExcluir
  2. Cris, eu ia dedicar a você, minha maior incentivadora, mas esqueci! Então dedico aqui mesmo! Obrigada por ler, é gigante né!!!

    ResponderExcluir
  3. que isso! de onde saiu esse layout? hahahahahaha...me mata rir...

    ResponderExcluir
  4. amiga!!! AMEI o layout! e o texto também é ótimo! escreve mais, escreve mais...
    beijao

    ResponderExcluir
  5. Hahahahaha gostaram do layout? foi produzido numa madrugada de insônia... aí já viu...
    vou postar mais, sim, bianquinha, prometo. vou deixar um tempinho esse pq é mt grande... vou dar um tempo pras pessoas vencerem a preguiça.

    ResponderExcluir
  6. Madame Yaba, sua ficção é um deleite!

    ResponderExcluir
  7. Lulu, você é demais. Diderot poderia ter escrito. Demais!

    ResponderExcluir
  8. Vc some e volta ASSIM!
    Cara está SENSACIONAL! Vc eh FODA! pARABENS MESMO!

    ResponderExcluir
  9. Luiza, sério...genial ! (interessante o título)
    Não que eu faça pouco do seu talento, mas estou surpesa...sério, MUITO BOM, Luiza...É grande, mas dá vontade de ficar lendo, até fiquei triste no final...parabéns, de verdade!

    Beijos.

    ResponderExcluir
  10. a marina macedo ainda não viu nada, deixa que ela verá, graças a deus, nós também...manda ver luiza!!!!

    ResponderExcluir
  11. pooooorra eh essa que vc tah usando rapá ??

    sobrou uma tampinha ??

    ResponderExcluir
  12. imaginei tudo em cena
    que vida
    genia

    ResponderExcluir

Seguidores